AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

A TRUTA ARCO-ÍRIS - Oncorhynchus mykiss (Walbaum, 1792)



FAMÍLIA: salmonídeos

LONGEVIDADE: 11 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 200 m

COMPRIMENTO: 120 cm

PESO: 25 kg


DISTRIBUIÇÃO: desde Noruega até ao Norte de África e desde Irlanda à Rússia, intruduzida na Ámerica do Norte e do Sul, Austrália, Nova Zelândia, África e Índia.


BIOLOGIA: é provávelmente o peixe desportivo mais famoso do mundo, a truta forma parte desse tipo de peixes que nos liga à pesca desportiva somente com pronunciar o seu nome. As trutas proliferam em ribeiros, rios e lagos frios de todo o mundo práticamente, é o caso da truta marisca a forma migratória da truta comum "Salmos trutta" que aos dois anos de idade apróximadamente emigra atrevendo-se a ampliar os seus horizontes adentrando-se também no mar,alimentam-se sobretudo de insectos, larvas dos mesmos, crustáceos e peixes, no mar as formas migratórias alimentam-se de crustáceos e peixe. Embora a espécie se divida em várias subespécies tais como: a truta arco-Íris a qual varia muito de aspecto e tamanho, existindo várias subespécies, tais como a Kamloops, a Shasta e a Kern River. A maior parte possui, no entanto uma faixa rosa ao longo da linha lateral e pequenas manchas negras no flancos, dorso e barbatanas.


As mais conhecidas são a truta arco-Íris (Oncorhynchus mykiss), a truta de Clark (Oncorhynchus clarki), a truta de Yellowstone (Oncorhynchus clarki lewisi), e a truta dourada (Oncorhynchus aguabonita), a truta dourada é natural da nascente do rio Kren, o qual se encontra a grande altitude nas montanhas da Sierra Nevada da Califórnia, conserva as suas marcas juvenis durante toda a vida e o seu peso máximo oscila entre os 0,454 kg em ribeiros e os 5 kg em lagos. São peixes extremadamente belos e magníficos lutadores mesmo nos seus tamanhos mais pequenos. Considerados por muitos pescadores o mais "querido" dos peixes. As Steelhead são as trutas arco-Íris que emigram para o mar antes de regressarem aos rios para desovar, ou então as que vivem em lagos e que mudam para rios ou ribeiros na altura da desova. As Steelhead adultas são prateadas, porém esta cor dura pouco pois assim que termina a época de procriação voltam a adquerir as cores naturais da truta arco-Íris. Devido à alta demanda comercial deste peixe o homem começou a criar a truta em cativeiro, porém segundo a minha humilde opnião estes peixes criados á base de "farinhas" não possuem a tenacidade da truta natural que para chegar ao estado adulto têm de passar por uma série de perigos o cual a transforma no magnífico peixe que conhecemos. Este factor não se nota somente no combate, com uma destas trutas. Mas também no sabor, que não se parece em nada a uma truta selvagem.

                                                                       Cortesia de:




ALIMENTAÇÃO: qualquer forma de vida animal do seu habitat tais como, insectos, minhocas da terra, larvas, etc, e amostras.


MÉTODOS DE PESCA: spinning, corrico, à mosca (uma das formas de pesca mais bonitas da truta), á bóia e ao fundo.

                               ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.


RECORD IGFA: encontra-se em 19.787 kg capturada por Adam Konrad no lago Deifenbaker em Canadá no dia 05/06/2007.


                                                                  CAPTURA E SOLTA

terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

O ASTICOT - Um isco revolucionário



Verme!!! Embora esta palavra que para nós meros mortais seja sinónimo de algo desagradável para os peixes o adjectivo é completamente diferente. Suponho que hoje em dia já ninguém cultiva os seus asticots, mas em tempos passados era o mais normal, deixar apodrecer um pedaço de carne ou peixe, até ser invadido pelas benditas moscas verdes, que mais tarde nos deixavam esse presente em forma de larva a que chamamos asticot. Magnifico isco seja para água doce ou salgada.




O asticot passa por 3 fases básicas, a larva, o cáster e a mosca, no caso de que este éclosione. As formas de uso na pesca vão desde o simples facto de atirar o asticot solto á agua até formas mais elaboradas como junto ao engodo ou encolados e obviamente no anzol. Podemos encontrar no mercado vários tamanhos de asticot, o "normal", o pinkie que resulta ser muito mais pequeno e é utilizado normalmente na pesca de peixes de menores dimensões como pardelhas, bogas etc, e que se utiliza muito em competição. Outra das grandes virtudes do asticot reside no facto de que adquere a côr dos alimentos por ele ingeridos, assim que se pretendemos pescar com asticot de cor vermelha por exemplo, somente devemos deixá-los durante um dia ou dois dependendo da rapidez com que se alimentem em farinha com qualquer tipo de aditivo dessa cor.






LANÇÁ-LOS SOLTOS
Não existe; sem dúvida nenhuma outro isco animal que seja capaz de provocar nos peixes, reacções tão rápidas e satisfatórias, como um punhado de asticot caindo na superficie, o rúido característico do asticot caindo na água funciona como uma campainha que chama para o almoço, mesmo se o sitio não está pescado. Segundo as leis de Pavlov de que os reflexos condicionados podem ser provocados em qualquer animal durante um certo periodo de tempo. Devido ao facto de que qualquer animal é capaz de identificar um ruido com o alimento que dele provém como é o caso. Por experiência pessoal comfirmei em várias ocasiões que depois de efectuar uma engodagem continuada com asticot, se no intrevalo atirava á água um punhado de areia, os peixes acudiam de igual maneira devido ao som provocado por ela ao chocar com a superficie. Como todas as técnicas atirar os asticots soltos têm as suas vantagens e desvantagens, porque se por exemplo o pesqueiro possuir correntes, estas obviamente vão arrastar os asticot para fora do lugar que escolhemos para a pesca e consequentemente os peixes que estarão no pesqueiro. Por esse motivo é muito importante a eleição do pesqueiro e a estratégia de pesca.




LANÇÁ-LOS COLADOS
Existem no mercado diferentes tipos de cola (para mim a Arábica é a melhor) que nos premitem realizar esta técnica que para mim é das mais frutíferas, devido ao facto que conseguimos colocar os asticot na aréa por nós elegida com uma minima margem de erro. Estas colas normalmente são em pó, com o qual somente devemos humedecer os asticot com qualquer spray (os que se utilizam para as plantas são perfeitos) para em seguida polvorear o nosso isco removendo-os até verificar que formam uma bola consistente, estas bolas não devem ser maiores que uma bola de golfe, pois se realizamos um mau lançamento, não se perderá muito e não arruinaremos o pesqueiro. Em sitios com corrente, tais como rios podemos dar ás bolas a forma de uma bolacha, que fará com que se pegue ao fundo oferecendo menos resistência á corrente e assim evitaremos que seja arrastada para longe do pesqueiro.






LANÇÁ-LOS NO ENGODO
Esta é provávelmente a forma mais tipica de utilizar os asticot, somente devemos assegurar-nos de que só juntemos os asticot ao engodo no momento do seu lançamento, pois são animais extremadamente enérgicos e se realizamos a confecção de uma bola de engodo com os asticot e não a lançamos imediatamente o mais provável é que quando o fizermos já não contenha asticot, pois são excelentes em fabricar buracos por onde escapar. Este tipo de engodagem é uma verdadeira "bomba" pois ao chocar contra o leito a bola normalmente parte-se libertando os asticot que sobem pouco a pouco à superficie devido ao ar que se encontra nos seus corpos, provocando um autêntico frenesi nos peixes que se encontrem presentes.






COMO CONSERVAR
O processo de envelhecimento dos asticot é imparável, porém utilizando certos cuidados podemos ralentizar esse facto. A melhor medida para evitar isto é evitar a humidade e o calor que nos seus corpos funciona como uma estufa, acelerando a sua metamorfose para passar a cáster. O meu conselho é tão simples como eficiente devemos possuir um recipiente amplio e hermético donde colocaremos serradura (suficiente para cobrir todos os asticot), e colocá-los na geleira junto à parte menos fria (geralmente donde estão as verduras). Isto fará com que o seu metabolismo descenda o que por conseguinte atrasará o seu envelhecimento. Nestas condições uma "dose" de asticot pode durar em prefeitas condições mais de um mês.


Espero que apesar de curtinho este artigo seja o suficiente para os que ainda não conhecem ou dominam a técnica de pesca com asticot e assim poder abrir novos horizontes a este mundo fantástico da pesca.

sexta-feira, 22 de Janeiro de 2010

A PALMETA - Trachinotus ovatus (Linnaeus, 1758)



FAMÍLIA: carangídeos

PROFUNDIDADE: 0 - 200 m

LONGEVIDADE: ?

COMPRIMENTO: 70 cm

PESO: 3 kg

DISTRIBUIÇÃO: oeste do Oceano Atlântico, Baía de Biscaia, Mediterrâneo até Angola.




BIOLOGIA:  tal como a história de David e Golias, este pequeno predador bem podia ser David, pois o que lhe falta em tamanho é compensado com bravura. Poucos pescadores poderiam acreditar que o que está no estremo da sua linha é uma pequena palmeta. Gosta de praias arenosas, donde se desloca como uma autêntica "faca" cortando a água na busca incessante de pequenos peixes, moluscos e crustáceos que são a base da sua alimentação. Embora o seu dorso tenha um acentuado azul, a côr que predomina é o prateado com várias manchas negras nas estremidades das suas barbatana dorsal, ventral e caudal. Possui também entre 3-5 manchas em forma de meia lua acinzentadas nos flancos. É frequente vê-la em estuários pois tolera bastante bem a falta de salinidade, perfere águas calmas com pouca ondulação e as suas capturas são mais frequentes no verão, com preferência ao amanhecer e ao entrardecer. Na sua juventude formam pequenos cardumes que são capturados com facilidade desde qualquer praia ou molhe.

A sua defesa quando capturada consiste em rápidas corridas, nas quais utiliza o seu corpo como escudo, para oferecer resistência dobrando-se em forma de "U". Devido a sua beleza e escasso tamanho é utilizada em muitos países como peixe ornamental em aquários.

                                                             Cortesia de Jorge Lopes



ALIMENTAÇÃO: camarão, toda espécie de anélidos, pequenos peixes do seu habitat e amostras.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, spinning, á bóia, á mosca.


                           ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.


RECORD IGFA: encontra-se em 0,81kg capturada por Henry B. Flores Jr no dia 06/12/2006 em Port Aransas, Texas, USA.

                                                             HOMENAGEM AOS AMIGOS

segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

O VUNDÚ - Heterobranchus longifilis


  
FAMÍLIA: silúrídeos

LONGEVIDADE: ?

PROFUNDIDADE: 0 - 200 m

COMPRIMENTO: 150 cm

PESO: 60 kg



DISTRIBUIÇÃO: África Austral.



BIOLOGIA: pertence á familia dos peixe-gato obviamente, porém com uma diferença fantástica para nós pescadores, pura adernalina, é sem dúvida o mais poderoso dos peixes-gato, a sua força de combate só é comparável à do Siluro, porém este deveria possuir o dobro do tamanho do Vundú, para estar em igualdade de condições. É um peixe-gato único, têm os "bigodes" mais grandes de todos os seus congéneres, autênticas antenas de detecção e duas barbatanas dorsais, a sua cor é acastanhado e o seu ventre branco, uma cabeça descomunal acompanhada por uma boca de iguais porporções é a maior espécie de água doce da África Austral, perfere lagos e rios profundos, na sua juventude alimenta-se de tudo, tal como na sua madurez, a única diferença é o tamanho dos alimentos, quem pratica a sua pesca com assiduidade, utiliza como iscos, rãs, cobras, carne de diversos animais e um isco muito "particular", sabão azul. Sim, disse sabão azul!! Calcula-se que devido ao alta quantidade de gordura animal que possui este tipo de sabão o Vundú adora-o. Assim que fazem pequenas bolas (uma bola de golfe, aproximadamente) que é posta no anzol directamente ou através do sistema "hair" tão utilizado pelos pescadores de carpfishing.

Uma das qualidades deste isco tão particular é a selecção de espécies, visto que somente o Vundú se alimenta deste. O seu combate é tão épico devido ao facto de que o Vundú detesta a luz, ( a sua pesca normalmente faz-se á noite), e cada vez que se consigue subir próximo á superfície este colosso a sua reacção imediata é buscar a profundidade, são peixes que te arrancarão 100 m de linha na primeira corrida, é somente para dar uma ideia da força bruta desta espécie.

                                                               Cortesia de C. Summers



ALIMENTAÇÃO: a enteriormente citada.


MÉTODOS DE PESCA: carpfishing, jigging, spinning, á mosca.

                           ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.



RECORD IGFA: encontra-se em 32.500 kg capturado por Rob Konschel no dia 26/12/2000 no lago Kariba em Zambézia.

quinta-feira, 14 de Janeiro de 2010

O PEIXE GATO - Ameiurus melas




FAMÍLIA: ictalúrideos

LONGEVIDADE: 10 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 20 m

COMPRIMENTO: 60 cm

PESO: 4 kg


DISTRIBUIÇÃO: global


BIOLOGIA: este pequeno peixe-gato, nativo da América do Norte, possui um corpo sem escamas coberto de uma abundante capa de garro, a cor predominante é o negro excepto o seu ventre que é de um amarelo esbranquiçado, destaca o tamanho da sua cabeça e boca que são bastante desporporcionados em relação ao pequeno corpo que têm.
Segundo os estudos realizados sobre esta espécie, é um peixe que pode alcançar os 60 cm de longitude e um peso aproximado aos 4 kg. Suporta bem águas com pouco oxigénio e bastante contaminadas, vivendo prefeitamente em águas com temperaturas superiores aos 30ºC o que há partida é bastante supreendente para um peixe de tão reduzidas dimensões. A época de reprodução dá-se a finais de Primavera e principios do Verão, a fêmea deposita entre 2000 a 5000 ovos, os quais ficam ao cuidado do macho até a éclosão. Durante a sua juventude formam autênticas "nuvens" na superficie alimentando-se de larvas de mosquito. É um animal de hábitos nocturnos e a sua alimentação hómnívora, alimentando-se de plantas, invertebrados e peixes.
Intruduzido em muitos países como um predador das larvas de mosquito, mais tarde foi confirmada esta medida como um tremendo erro, pois devido a sua alta capacidade de adaptação aos meios mais agrestes, este pequenino transformou-se numa verdadeira "praga", da qual as autoridades não se conseguem livrar, pois além de alimentar-se das larvas de mosquito, também depreda sobre todos os alevins de outros peixes do seu habitat, reduzindo drásticamente a sua população. Embora seja uma espécie de reduzidas dimensões por vezes dão-se casos excepcionais como o da minha amiga Maricarmen Ruiz que capturou o exemplar da foto com o comprimento de 55 cm e 2,900 kg todo um record!!

                                                      Cortesia de Mª del Carmen Ruiz


ALIMENTAÇÃO: o peixe gato come de tudo, para a pesca normalmente utiliza-se o asticot, milho, minhoca da terra.



MÉTODOS DE  PESCA: à inglesa, à francesa, feeder e ao fundo.

RECORD IGFA: encontra-se em 3,370 kg capturado por Kevin Kelly no dia 25/08/1993 em Mill Pond, Wantagh New York U.S.A.


CURIOSIDADES: na pesca de competição é considerado um peixe com alto valor desportivo, porque quando não se consegue capturar qualquer outra espécie, os pescadores de pensamento rápido dedicam o seu tempo de prova à captura desta espécie devido à sua abundância, para assim conseguir uma classificação satisfatória.

quarta-feira, 13 de Janeiro de 2010

A PALOMBETA - Lichia amia



                         
FAMILIA: carangídeos

COMPRIMENTO: 200 cm

LONGEVIDADE: ?

PROFUNDIDADE: 0 - 50 m

PESO: 50 kg

DISTRIBUIÇÃO: oeste do oceano Atlântico até África do Sul incluindo o Mediterrâneo.


BIOLOGIAeste pelágico possui um corpo largo e comprimido de côr prateada com ligeiros tons dourados passando a verde no dorso, com excepção do seu ventre que é branco, cabeça ligeiramente bicuda donde destaca uma mandíbula impressionante repleta de pequenos dentes afiadíssimos destribuídos em várias filas, carácteriza-se pela peculiaridade da sua linha lateral em forma de "S", é um predador por excelência e no seu habitat poucos lhe podem fazer frente, normalmente encontra-se perto da costa patrulhando em busca de cavalas, sardinhas, ou taínhas que são a sua principal fonte de alimento. Porém não hesita em engolir qualquer outro peixe que esté ao alcance de tão temivél dentadura, tais como anchovas ou robalos.

Os exemplares jovens vivem em cardumes mais ou menos compactos perto da costa, ao atingir a fase adulta tornam-se mais solitários e deslocam-se para zonas mais profundas, porém nunca se afastam demasiado da costa, onde fazem incrusões com regularidade, chegando a entrar em estuários para caçar. A sua época de reprodução como de muitas espécies dá-se na Primavera e pode durar toda a estação dependendo da tempratura da àgua que deve estar entre os 18º-19º C e um máximo de 22º-23º C. Outro detalhe que salta à vista é a sua magnifica barbatana caudal, enorme!! Com a qual atinge essas velocidades explosivas que  deixam a garganta seca, é um autêntico "animal" na batalha que se segue à sua captura. A sua pesca mais tradicional faz-se desde costa na modalidade de surfcasting, com a particularidade de que em vez de fazer-se o típico lançamento de larga distância, o pescador leva o isco que neste caso costuma ser uma tainha a nado até à zona que considera "quente". A tainha vai iscada pela mandibula superior com um anzol que lhe deixa "livre" na todalidade dos seus movimentos.

                                                                 Cortesia de C. Maño

ALIMENTAÇÃO: cavalas, tainhas, anchovas, sardinhas e amostras.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, corrico, jigging, spinning.

O VIDEO: adrenalina em estado puro!!




                            ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE

RÉCORD IGFA: encontra-se em 27.800 kg capturado por Oriol Ribalta no dia 30/04/2000 em L`Ampolla, Espanha.

NOTA: na pesca com amostras, aconselha-se de superficie, não só pela espetácularidade da pesca em si, mas também porque são as mais efectivas.

segunda-feira, 11 de Janeiro de 2010

A ENGUIA - Anguilla reinhardtii



FAMÍLIA: anguilídeos

COMPRIMENTO: 200 cm

LONGEVIDADE: 60 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 2000 m

PESO: 20 kg


DISTRIBUIÇÃO: global, porém com maior incidência em Àfrica do Sul, Austrália, Tasmânia, Nova Zelânda e América do Sul.



 
BIOLOGIA: na fase inicial do seu desenvolvimento, as larvas da enguias são criaturas estranhas, transparentes e em forma de folha a que se dá o nome de leptocéfalos. Mais tarde tornam-se angulas, versões em miniatura dos seus progénitores, é nessa fase que as enguias de àgua doce chegam aos rios. Durante essa fase sofrem uma verdadeira caça por parte de paìses como Espanha por exemplo, visto que são consideradas um autêntico manjar nessa fase do seu crescimento, chegando a atingir preços astronômicos no mercado, principalmente no Natal. Naturalmente se um peixe é dizimado na sua primeira fase de crescimento poucas possibilidades existem de que uma grande população dessa espécie chegue a existir, porém a mãe natureza é excepcional e consegue, não sei através de que milagre manter mais ou menos estável a população deste magnifico peixe.


Existem várias espêcies de enguias como por exemplo a Enguia Europeia (Anguilla anguilla), a Enguia Americana (Anguilla rostrata) e a Enguia de barbatanas largas (Anguila reinhardtii ), neste caso dou-vos a conhecer a Enguia das barbatanas largas, visto ser a que atinge maior tamanho e peso. Embora exista a nível global, é em Nova Zelanda que são conhecidos os maiores exemplares capturados com cana. São peixes de lento crescimento atingindo uma média de 15-25 mm ao ano. Devido à febre do ouro nos anos sesenta "doênça" que atacou este país durante muitos anos, foram escavadas millares de minas nas suas montanhas, minas essas que depois de abandonadas foram imundadas por rios e ribeiras da zona criando verdadeiros paraísos para as enguias. Estes "santuários" foram esquecidos durante anos deixando as enguias crescer em paz, o que generou provávelmente o lugar do planeta com as maiores enguias conhecidas até hoje. Exemplares que podem ser comparados (sem exagero) com a perna de um homem. Este fenómeno deve-se ao facto que em Nova Zelanda a Enguia de barbatanas largas é o peixe que está no topo da cadeia alimenticía dos peixes de água doce, assim que atingindo certo tamanho deixa de haver perdadores que lhe façam frente, podendo então atingir estes tamanhos e pesos tão espetaculares.
São peixes que se alimentam praticamente de tudo, mas com especial debilidade por iscos sangrentos, assim que para a sua pesca, que normalmente é mais produtiva ao amanhecer ou entardecer, utilizam-se com frequência pedaços de figado de cordeiro ou boi troceados e corações de galinha.

                                                           Cortesia de J. Brusell


ALIMENTAÇÃO:  a anteriormente citada.


MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, à boia, à deriva.


RECORD IGFA: encontra-se em 16,360 kg capturada por Ferdier Van Nooten no dia 10/06/1984 em Hanzelmere Dam na Àfrica do Sul.

quinta-feira, 7 de Janeiro de 2010

O ALABOTE DO PACÍFICO - Hippoglossus stenolepis


FAMÍLIA pleuronectídeos

LONGEVIDADE: 55 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 1.200 m

COMPRIMENTO: 250 cm

PESO: 300 kg

 
DISTRIBUIÇÃO: Norte do Oceano Pacifico.


BIOLOGIA: este enorme peixe chato de olhos dextrógiros ( olhos cujo carbono asimètrico se encontra deslocado para o lado esquerdo), e o seu congenére da Atlántico (Hippoglossus hippoglossus) estão entre os peixes marinhos de maiores dimensões. Nos dias que se seguem a éclosão a larva de um peixe chato assemelha-se à de qualquer outro peixe, mas depois começa a transformar-se e a adquirir a forma comprimida e assimétrica que os faz adaptar de uma forma magnífica, a um vida junto ao fundo do mar. Este voraz predador alimenta-se de peixe, lulas, polvos e outros invertebrados, com o seu corpo chato cola-se ao fundo e enterra-se na areia deixando apenas os olhos de fora ficando completamente camuflado com o fundo, espera pacientemente até que uma possivel presa se aproxima o bastante para estar ao alcance da sua boca, atacando então com uma velocidade vertiginosa, succiona a victíma.

 Na fase adulta somente se pode capturar este colosso em grandes profundidades, porém durante a sua juventude e pescavél em zonas de relativa profundidade e ao alcance de  pescadores de surfcasting.Excelente nadador capaz de levar a cabo viagens de millares de km na procura de alimento ou de melhor habitat. As fêmeas crescem mais que os machos atingindo tamanhos e pesos descomunais, e o seu nível de reprodução é simplesmente espantoso, uma fêmea com um peso mèdio de 100 kg tem a capacidade de pôr cerca de 4 milhões de ovos, os quais ficam a deriva até a sua éclosão.O macho porém raramente ultrapassa a barreira dos 40 kg. Isso sim, é o mais longevo da espécie e cresce mais rápidamente que a fêmea. A melhor época para a sua pesca vai desde Janeiro a Outubro. Penso que sobra qualquer comentário sobre a luta que deve dar um "bichinho" destes e deixo estas considerações à vossa imaginação.

                                             Cortesia de J. Sinclair



ALIMENTAÇÃO: arenques, sardinhas, cavalas, lulas, chôcos e amostras.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting. spinning, jigging.

                            ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.

RECORD IGFA: encontra-se em 208,200 kg capturado por Jack Tragis no dia 11/06/1996 em Dutch Harbor, Alaska, U.S.A.

terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

A TENCA - Tínca tínca



FAMÍLIA: ciprinídeos

PROFUNDIDADE: 0 - 50 m

LONGEVIDADE: ?

COMPRIMENTO: 70 cm

PESO: 8 kg



DISTRIBUIÇÃO: Europa, América do Norte, Àsia e Austrália.

 
BIOLOGIA: a tenca é uma espécie muito popular entre os pescadores das suas águas nativas da Europa e Àsia, intruduzida com êxito em águas de Austrália e América do Norte. É sobretudo uma espécie de águas paradas, embora também se encontre nas zonas baixas dos rios. Pode-se determinar o sexo das tencas através das suas barbatanas pélvicas, as do macho são muito mais compridas que as da fêmea e prolongam-se para além do orificio anal. As diminutas escamas da tenca estão cobertas por uma camada protectora de garro, tão espessa que nos dá a ideia que esta não possui escama alguma, as barbatanas são suavemente arredondadas e a sua coloração normal é de um verde azeitona passando por vezes a um verde escuro ou amarelado, dependendo do habitat, o qual é um presente da natureza já que lhe serve de perfeita camuflagem para ocultar-se dos seus predadores. Amiga da vegetação onde pode encontrar comida e refúgio não se desloca para muito longe desta, o que nos dá uma excelente pista para a sua localização. Na sua juventude alimenta-se de pequenos invertebrados, insectos e anélidos, passando depois a comer quase de tudo como qualquer outro ciprinídeo

É um peixe bonito de picada delicada, mais parecida a um pequeno beijo que a uma picada, a sua pesca não é apta a nervosos ou pescadores de pouca paciência pois a Tenca é um peixe subtil cuja presença apenas se nota, a não ser depois de fisgada. Embora não seja grande combatente sabe utilizar o seu habitat com astúcia para enroscar-se no tronco mais próxímo com a finalidade de evitar a sua captura.

                                                          Cortesia de Francisco Ruiz



ALIMENTAÇÃO: asticot, milhoca da terra, milho, pão.

MÉTODOS DE PESCA: pesca à Francesa, à Inglesa, carpfishing.

RECORD IGFA:  encontra-se em 4, 640 kg capturada em  Ljungbyan, Suíça no dia 02/07/1985 por Dan Dellerfjord.

segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

O SALMÃO REAL - Oncorhynchus tshwytscha

 
FAMILIA : salmonideos

LONGEVIDADE: 9 anos


PROFUNDIDADE: 0 - 375 m

COMPRIMENTO: 150 cm

PESO: 60 kg


DISTRIBUIÇÃO:  Oceano Pacifico desde a Baia de Monterey até Califórnia, Alaska, Sibéria, Japão e Àsía.


BIOLOGIA: o Salmão Real ou Chinook, como é normalmente mais conhecido é um peixe anádromo (considera-se assim aos peixes que vivem num habitat completamente adverso aquele donde realizam a desova para uma futura generação), este é o caso do Chinook, que vive grande parte da sua vida no mar, porém na época da desova sobe o rio no qual nasceu para dar lugar a uma nova generação. A sua coloração no lomo é azul verdosa com flancos prateados e ventre branco, possui várias pintas negras que lhe cobrem a totalidade do dorso e a sua boca é cinzento escuro, porém esta cor desaparece na época da procriação, altura em que adquere uma cor avermelhada ou rosada a qual lhe proprociona o famoso nome de "salmão", esta espécie de salmão em concreto é a maior da familia dos salmonideos, e tem a praticularidade de que se "transforma" durante a época de procriação. Esta transformação é mais notável nos machos, a sua boca arqueia-se formando um espécie de "bico" o que lhe dá uma "expressão" muito mais feroz.

Como a maioria dos salmões não se alimenta na sua subida para desovar, mas conta com reservas de energia que o sustentarão durante a sua viagem,  o consumo desta energia vai-lhe provocar uma mudança de pigmentação transformando as suas escamas prateadas na cor salmão que tanto nos atrai devido ao consumo da gordura acumulada para tão grande viagem. Casos como o do Salmão Real que por norma geral desova no lago Teslín em Yukon, chega a subir  3, 860km entre os rios Yukon e Teslín para lá chegar.

Como peixe desportivo é sem dúvida um "rei", pois pertence ao sonho de todo pescador capturar um. Tarefa bastante difícil em grande parte devido ao facto de que não se alimenta na sua subida o que vem a ser mais um "valor" sumado há dificuldade da sua captura.

                                                             Cortesia de: C. Scott



ALIMENTAÇÃO: camarão, minhoca da terra, peixes do seu hábitat como o arenque ou a sardinha.

MÉTODOS DE PESCAà mosca, à boia, à chumbadinha, ao fundo, spinning, corrico.

O VIDEO: no coments.





                                  ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.

RÉCORD IGFA: encontra-se em 44,110 kg capturado por Les Andreson no dia 17/05/1985 no rio Kenai no Alaska, U.S.A.

O DOURADO - Salminus maxillosus




FAMÍLIA: characideos

LONGEVIDADE: 14 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 20 m

COMPRIMENTO: 1 m

PESO: 30 kg

DISTRIBUIÇÃO: América do Sul, Paraná, Brasil, Argentina, (rio Amazonas e suas ramificações).



BIOLOGIA: habitante de fortes correntes, o dourado é um peixe musculoso, com um corpo parecido em estrutura ao salmão, possui uma grande cabeça e uma boca que alcança a metade da mesma, repleta de caninos em forma cónica, com uma barbatana caudal rubusta própria de habitante de rápidos e correntes, donde se move com muito mais facilidade que as suas presas, normalmente peixes como o Carimbatá (Prochilodus lineatus) ou a Boga ( Leporinus obtusidens), está considerado em muitos países como o rei da água doce devido a potência e espetácularidade dos saltos que proprociona durante a sua luta.

A sua reprodução dà-se entre os meses de Outubro e Novembro, quando remonta o rio para procriar, vários machos cortejam a fêmea que depõe até 200.000 ovas por posta, abandonando-as depois ao seu destino, as quais éclosionam apenas um dia depois, os alevins nascem com aproximadamente 5mm e estão aptos a sobreviver. Alimentam-se de insectos e crustáceos na sua juventude, atingindo a maturidade aos dois anos e a fêmea aos três. A melhor época para a sua pesca está entre os meses de Maio e Agosto antes de que empreendam a extenuante remontada do rio para desovar. A sua pesca é especialmente espetácular com amostras de superficie, porque ao atacar o Dourado salta fora de àgua para cair sobre a amostra.

                                                                             Cortesia de:

                                                                 
 ALIMENTAÇÃO: peixes do seu hàbitat (anteriormente referidos) e amostras.

MÉTODOS DE PESCA: ao corrico, spinning, à bòia e à mosca.

O VIDEO: como fazer bem as coisas.




                              ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.

RECORD IGFA: encontra-se em 25.280 kg capturado por André L. S. de Button no dia 11/01/2006 no rio Uruguai, Concordia Argentina.