AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

quinta-feira, 26 de abril de 2012

A CAVALA DO ATLÂNTICO - Scomber scombrus (Linnaeus, 1758)


FAMÍLIA: escombrídeos

LONGEVIDADE: 17 anos

PROFUNDIDADE:

COMPRIMENTO: 34cm

PESO: 3,400kg

DISTRIBUIÇÃO: Atlântico, Mediterrâneo e Mar Negro.


BIOLOGIA: a cavala do Atlântico é muito parecida à cavala do Pacífico (Scombrus japonicus), porém a nossas têm a particularidade de possuir menos barras escuras no dorso e não tem as manchas castanhas da cavala do Pacífico. A cavala forma grandes cardumes, que por vezes se vêem junto à costa, formam um verdadeiro esquadrão de caça, atacam pequenos peixes com uma voracidade digna de qualquer tubarão. Como escombrídeo possui essa linha hidrodinâmica, fusiforme com uma grande cauda bifurcada que lhe permite atingir velocidades asombrosas para o pequeno peixe que é. A sua carne é de excelente qualidade e como peixe desportivo um verdadeiro lutador, com o equipamento próprio um dia de pesca às cavalas pode deixar-te o braço a pedir massagens. A sua luta caracteriza-se principalmente por grandes corridas junto à superficie, procurando escapar-se, é tal a sua velocidade que muitas vezes pensamos que o peixe se escapou porque a linha fica frouxa de repente, devido a que a cavala vêm na nossa direcção. A cavala é também uma enorme fonte de alimento para outras espécies, assim que é utilizada com grande frequência como isco para captura de espécies de maior porte como por exemplo a corvina.



ALIMENTAÇÃO: pequenos invertebrados e peixes do seu habitat como pequenas sardinhas ou peixe-rei.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, surfcasting, à bóia.

VIDEO: uma pequena amostra da pesca à cavala de kayak com a técnica do jigging.


RECORD IGFA: encontra-se em 1,200 kg capturado por Jorg Marquard em Karaakvaag na costa de Noruega, no dia 29/06/1992.


                                            HOMENAGEM AOS AMIGOS





quarta-feira, 18 de abril de 2012

O PEIXE ARANHA - Trachinus draco (Linnaeus, 1758)


FAMÍLIA: trachinídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 150 (no inverno)

COMPRIMENTO: 55 cm

PESO: 1,890kg

DISTRIBUIÇÃO: oeste do Oceano Atlântico, Mar do Norte e Mediterrâneo, Marrocos, Madeira e Ilhas Canárias.



BIOLOGIA: existem duas espécies de peixes aranha uma bastante pequena que carece de interesse para a pesca desportiva o Echiichthys vipera (Cuvier, 1829) que cresce apenas até aos 15cm e a espécie em questão o Trachinus draco (Linnaeus, 1758). Não pensem que a cara de mau é a gozar, o gajo é mesmo mau!! Matar não mata, mas quem tiver a má sorte de pisar ou ser picado de outra forma por um peixinho destes de certeza que se vai lembrar dele durante muito tempo. E falo por experiência. O peixe aranha é uma delícia (na mesa) porém sem um prévio conhecimento pode ser uma experiência muito dolorosa. É um predador astuto, que utiliza a camuflagem natural para ocultar-se na areia, normalmente completamente tapado, só com os olhos de fora. No entanto como podemos apreciar pela foto, não lhe fazia falta porque o seu mimetismo é suficiente para ser confundido com o fundo. Vive no litoral normalmente sobre fundos de areia, embora também possa ser visto em fundos de lodo ou gravilha. É um predador que ataca por sorpresa apurando a distância com a presa ao límite. Ao manejar um peixe aranha aconselha-se o uso de uns alicates ou um bocagrip ou até um simples pano de maneira a imobilizar o peixe para uma extracção segura do anzol, as 3 primeiras espinhas dorsais são as que  possuem o veneno pode-se ver a diferença de côr porque estas são mais escuras que as outras. Existem também duas espinhas venenosas nas aberturas branquiais, estas são as que devemos ter debaixo de olho ao manejar o peixe aranha.

No caso de picadura, o remédio mais aconselhavél para o momento, no caso de não se poder deslocar-se a pedir ajuda médica é através do calor, devemos projectar calor na zona da picadura através de àgua quente (de maneira suportavél) ou até com o calor de um cigarro. É raro que a picada de um peixe aranha provoque a morte (mas já se deram casos) devido a alergias que a vítima possa ter.

ALIMENTAÇÃO: pequenos invertebrados, caranguejos, camarões, peixe ou qualquer outro ser vivo do seu habitat.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, jigging, corrico, à mosca, spinning.

VIDEO: aqui podemos apreciar bem como se move um peixe aranha e os seus famosos espinhos.



RECORD IGFA: encontra-se em 1,740kg capturado por John H. Williams en La Gomera, Ilhas Canárias, España, no dia 11/06/2005.

terça-feira, 10 de abril de 2012

GOLD-SADDLE GOATFISH - Parupeneus cyclostomus (Lacepède, 1801)


FAMÍLIA: mulídeos

LONGEVIDADE: ?

PROFUNDIDADE: 0 - 100m

COMPRIMENTO: 50cm

PESO: 2,265kg

DISTRIBUIÇÃO: mar vermelho, até ao sul de Durban, África do Sul e este de Hawaii também se encontram populações de esta espécie nas ilhas Tuamoto e no norte das ilhas de Ryukyu e sul de Nova Caledónia ou na famosa Ilha da Páscoa.


BIOLOGIA: é um dos peixes mais belos e exóticos encontrados na barreira coralina, sempre associado a corais ou fundos de rocha, porém também faz incrusões em baías e praias à procura de alimento, mas o seu habitat natural é o coral. Na fase juvenil forma cardumes de 30-50 individuos mas no estado adulto é um peixe solitário que só procura individuos da mesma espécie na época do acasalamento. A variedade de cores que pode chegar a alcançar esta espécie é espantosa, dependendo do habitat e da alimentação a côr é simplesmente indescrítivel.

ALIMENTAÇÃO: camarões, caranguejos, polvos, chocos, peixes.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, spinning, jigging, corrico.

RECORD IGFA: encontra-se em 1,260kg capturado por Kenji Tamura no dia 09/07/2005 em Kubotsu, Kochi , Japão.

EDITOR

A minha foto

Los que me conocen, saben quien soy...