AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

sábado, 26 de fevereiro de 2011

O BAGRE AZUL - Ictalurus furcatus (Rafinesque, 1818)


FAMILIA: ictalurídeos

LONGEVIDADE: 24 anos

PROFUNDIDADE: 36 m

COMPRIMENTO: 1,32 cm

PESO: 45 kg

 DISTRIBUIÇÃO: América do Norte, Canadá e norte de México.


BIOLOGIA: esta espécie é a maior entre os bagres americanos. Ao contrário da maior parte dos seus congéneres, perfere águas de correntes rápidas e relativamente transparentes, ás de curso lento e turvas. Encontra-se sobre fundos de rocha, areia ou gravilha e não de lodo nem de limos. Também é conhecido com Channel catfish, devido ao facto de que normalmente habita canais de regadio nos Estados Unidos.

Nos Estados Unidos é considerado peixe desportivo com uma verdadeira legião de fans incondicionais que perferem pescar este peixe a qualquer outro, existem recordes estatais com prémios avultadissimos e sempre que se bate um record, é noticia nas televisões de todo o país. A maior curiosidade sobre este peixe, é que o peixe que bate o record é levado para um grande aquário público para que todos o possam admirar, e só é restituido ao seu habitat natural, quando o record volta a ser batido.

                                                                         Cortesia de:

ALIMENTAÇÃO: sobretudo à noite, altura em que deixa as águas profundas e vai até à superfície onde apanha peixes e caranguejos no meio dos rápidos.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, à mosca, carpfishing, à bóia.


RECORD IGFA: encontra-se em 26,300 kg capturado por W.Whaley no dia 07/07/1964 na reserva natural de Santee-Cooper no sul de Carolina USA.

                               ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE !!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A MOREIA EUROPEIA - Muraena helena ( Linnaeus, 1758 )



FAMILIA: murenídeos

LONGEVIDADE: 10 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 100 m

COMPRIMENTO: 1,50 cm

PESO: 6.200 kg


DISTRIBUIÇÃO: em águas subtropicais e tropicais de todo o mundo; algumas espécies frequentam águas temperadas.


BIOLOGIA: esta moreia normalmente encontra-se na parte oriental do Atlântico e no Mediterrâneo, é uma das espécies de moreia de entre as mais de 80 existentes. Todas elas são visivelmente irascíveis e usam prontamente a sua dentadura afiada sempre que se sentem ameaçadas. Raramente constituem uma presa de pesca, embora por vezes sejam fisgadas por engano. O que não quer dizer que se pescamos uma moreia (pelo menos eu) fique chateado, ao contrário, pois que conhece a magnífica carne que tem este irascível peixe sabe prefeitamente o manjar que é. Isso sim é aconselhável mil e um cuidados há hora de tratar do bichinho, pois a sua temível dentadura causa feridas de consideravél gravedade. Como a maioria dos murenídeos perfere habitar junto a zonas com rocha ou qualquer outro objecto onde se sinta protegida, tais como restos de naufrágios ou destroços de qualquer tipo. É um predador que caça de sorpresa, normalmente estático na sua toca com a cabeça de fora, e a boca aberta há espera de algum incauto peixinho que passe diante das suas fauces. Utiliza o seu corpo como uma mola sobre pressão no momento do ataque, a vitíma normalmente nem se apercebe do ataque até que o próprio já terminou.

A moreia possui uma técnica única para despedaçar presas maiores, quando não as pode engolir inteiras. Depois de apanhar a presa como por exemplo um polvo, a moreia provoca um nó no extremo do corpo e consegue deslocar esse nó através do seu corpo passando pela cabeça até alcançar a presa, nessa fase aperta o nó e estica o corpo conseguindo assim rasgar a presa para poder engolir o pedaço que têm na boca. A moreia é extremamente territorial, o que neste caso a prejudica muito, pois ao habitar a mesma toca durante todo o ano é presa fácil de quem pratica a caça submarina.

                                                              Cortesia de:


ALIMENTAÇÃO: qualquer peixe do seu habitat, incluindo céfalopodes e caranguejos, para a sua pesca aconselha-se peixes como a sardinha, cavala ou tiras de choco ou lula.

MÉTODOS DE PESCA: ao fundo.

RECORD IGFA: encontra-se em 6,200 kg capturada por Eduardo Soares no dia 24/01/2007 em Vila Real de Sto António, Algarve, Portugal.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

O PEJERREY - Odontesthes bonariensis (Valenciennes, 1835)


                                                                         
FAMILIA: atherinídeos

LONGEVIDADE: ?

PROFUNDIDADE: 0 - 80 m

COMPRIMENTO: 60 cm

PESO: 2 kg

 
DISTRIBUIÇÃO: águas litorais da costa Argentina e rio de La Plata.



BIOLOGIA: cuando chegam os primeiros dias frescos depois do verão, este incansavél nadador, sobe os rios pela chamada da natureza, buscando àguas mansas onde possa uma vez mais procriar. Momento este mais que esperado pelos pescadores, que  procuram assim encontrar a magia deste lutador. O Pejerrey é um predador de qualquer peixe mais pequeno do seu habitat, assim como de invertebrados e outros organismos acuàticos. Está sempre em constante movimento o que claro está provoca um consumo de energia enorme, para combater isto só há uma solução; comer!!
Mas está perfeitamente adaptado para essa função, o seu corpo cilíndrico coberto de pequenas escamas que estão perfeitamente empapadas por uma mucosa protectora que faz com que o nível de atrito com as águas seja minímo. Possuidor de uma musculatura formidável para o pequeno que é, e a sua poderosa barbatana anal fazem o resto.

Ao estar em constante movimento o Pejerrey consome grandes quantidades de oxigénio, sabendo que o oxigénio no ar aumenta com a diminuição da tempratura, já podemos entender a razão pela qual o Pejerrey está mais activo no Inverno que no Verão. Com uma boca feita à medida, pois possui a capacidade de ser protráctil, que quando está retraida mantém uma forma hidrodinâmica, porém quando se alimenta pode engolir presas com um tamanho considerável. O Pejerrey normalmente desova na plataforma subaquática da barra do  Rio de La Plata, porque o leito é de areia, barro e gravilha e é bastante sólido, o que permite à fêmea formar uma cavidade onde deposita os ovos. O Pejerrey possui uma fecundação externa , como a maioria dos peixes, portanto o macho deve depositar o esperma sobre os ovos e grande parte normalmente é disolvido pela àgua, a fêmea ao construir este pequeno (ninho) evita assim que as correntes possam arrastar o esperma do macho e consegue portanto aumentar as possibilidades de uma fecundação exitosa.

                                                                 Cortesia de:





Esta é a curiosa montagem que se utiliza na Argentina.

ALIMENTAÇÃO: todo tipo de organismos invertebrados do seu habitat e peixe.


MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, spinning, à inglesa.



                               ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE.


RECORD IGFA: encontra-se em 1,300kg capturado por Tomas Felipe Restano no rio de La Plata, Buenos Aires, Argentina no dia 25/08/2009.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

A BOGA DE RIO - Chondostroma polylepis (Steindachner, 1864)



FAMILIA: ciprinídeos

LONGEVIDADE: 10 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 20 m

COMPRIMENTO: 50 cm

PESO: 2 kg

DISTRIBUIÇÃO: Europa.




BIOLOGIA:  este pequeno ciprinideo com a boca rectangular caracteristica única desta espécie, na qual o lábio inferior possui uma menbrana óssea que lhe permite raspar o fundo para obter algas e filamentos que formam a base da sua dieta. Poucos damos a devida importância a este pequeno peixe, talvez porque não saber valorar a sua tenacidade em sobreviver, a boga vive nos cursos médios dos rios, porém também se encontram em muitas barragens, é um peixe gregário, especialmente durante a imigração pré-reprodutiva que efectúa com milhares de individuos rio acima. Para quem teve a sorte de ver este espetáculo, de certeza que nunca mais se esqueceu. A sua madurez é alcançada aos 3-4 anos de idade e a sua reprodução dá-se entre os meses de março a junho, como antes mencionava a mãe natureza mais uma vez demonstra a sua sabedoria. Devido ao pequeno tamanho da boga e às poucas defesas naturais que têm em relação aos predadores a sua fresa é das primeiras a efectuar-se, assim consegue evitar o ataque de qualquer predador sobre os seus alevins.  A femêa realiza uma posta que pode ir desde os 1.000 ovos até aos 8.000,  deposita os ovos entre areia e gravilha, os quais serão mais tarde inseminados como o esperma do macho. Pode-se verificar a qualidade da água de um rio ou barragem pela população existente de bogas, pois é um peixe que não tolera águas pouco oxigenadas ou contaminadas.
Como peixe desportivo, é ideal para quem começa nestas lides, pois apesar de não ser de grande tamanho, é muito tenaz e extremamente rápido, especialmente cuando pica. Qualquer pescador que já tenha pescado bogas sabe que tem de estar ao limite de reflexos ou não pescará nada. Na pesca de competição é dos peixes mais valorados, pois para os "mestres" é um verdadeiro gozo pescar esta espécie.
                                                                             Cortesia de:


ALIMENTAÇÃO:  pequenos invertebrados, vegetação e alguns detritos, para a sua pesca é aconselhavél a utilização de asticot, vert de vasse ou pão francês.

MÉTODOS DE PESCA:  á francesa, á inglesa, á mosca ou com pardilheira.

                                       RECORD IGFA: não existe record para esta espécie.


                                                           HOMENAGEM AOS AMIGOS

EDITOR

A minha foto

Los que me conocen, saben quien soy...