AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

O PAPAGAIO AZUL - Scarus coeruleus (Edwards, 1771)



FAMÍLIA: escarídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0-25m

COMPRIMENTO: 120cm

PESO: 30kg

DISTRIBUIÇÃO: Oceanos Índico, Pacífico, Àtlântico e Mar vermelho.



BIOLOGIA:  a familía dos escarídeos possuí mais de 90 espécies diferentes de peixes papagaio, neste caso comentarei alguns detalhes de um dos mais belos peixes desta espécie. O papagaio azul ou Blueparrot fish, é um ser especial, possuidor de uma estranha e impressionante beleza. A pesca desportiva desta espécie é uma das mais complicadas devido à estranha forma da sua boca e dos impressionantes dentes que possui. Estes dentes em forma de bico de papagaio capazes de cortar o coral como se de manteiga se trata-se não encontram nenhuma resistência nas nossas linhas de pesca, devido a isto só se conseguem capturar estes peixes quando o pescador têm a sorte de que o seu anzol se fixe nos lábios deste peixe, caso contrário qualquer linha será rápidamente cortada pelo "bico de papagaio". Outra forma que este peixe tem para defender-se é a de saltar e golpear com a cauda daí provém o seu nome "Scaridae" que significa saltar em grego.
O coral que é ingerido pelo peixe papagaio, para dele poder extrair os pequenos moluscos e algas dos quais se alimenta não pode ser digerido, porém o peixe pagagaio pode triturar de uma forma minúscula este coral e mais tarde ao fazer a digestão expulsa pequenos grãos de areia provenientes do coral antes digerido, muitas das ilhas que existem nos oceanos Índico e Pacífico estão formadas com a ajuda de este peixes. Segundo os biólogos marinhos que estudam esta espécie consideram que mais de um 90% das ilhas se formou assim. Uma das imágens mais belas que a nossa retina pode guardar é a de um cardume de papagaios azuis durante a época de acasalamento. Formam monstruosos cardumes (mais de 1000 indíviduos).

                                                          Cortesia de Margaret Linns



ALIMENTAÇÃO: a base da sua dieta reside em pequenos moluscos e algas que se escondem nos corais ou que a estes estão aderidos, para poder aceder a eles o peixe papagaio directamente morde o coral desfazendo a pedra para dela poder extrair o preciado alimento. No entanto são capazes de alimentar-se de qualquer outro petisco que chegue à sua boca incluindo pão.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, pesca embarcada, à bóia.

VIDEO: um pequeno video deste maravilhoso peixe.




RECORD IGFA: não existe.

CURIOSIDADES: durante a noite para poder dormir descansado o peixe papagaio azul segrega uma substância viscosa a qual utiliza para cobrir o seu corpo, formando uma "couraça" que o protege de qualquer predador.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O RUIVO - ( Chelidonichthys lucerna (Linnaeus, 1758)

 

FAMÍLIA: triglídeos

LONGEVIDADE: 15 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 318m

COMPRIMENTO: 75 cm

PESO: 6 kg

DISTRIBUIÇÃO: este do Oceano Atlântico, Noruega e toda a costa Africana. Também no Mediterrâneo e Mar negro.



BIOLOGIA: este estranho peixe, habita em fundos mistos de areia e lodo ou fundos de cascalho. Para mim um dos mais belos e estranhos habitantes dos nossos mares, em Portugal é conhecido como "Ruivo,Cabra ou Cabaço". O seu corpo é um verdadeiro arco-irís, a maravilhosa mistura de côres que a natureza dotou esta criatura, não lhe serve só para camuflar-se nos mais variados elementos marinhos mas também lhe serve de protecção contra predadores. Como todos sabemos "bicho colorido" normalmente é perigoso. A fisionomia do Ruivo lembra mais um animal terrestre que um peixe, principalmente devido à estranha forma que adoptam as barbatanas peitorais, que parecem três dedos, as quais utiliza para deslocar-se de forma sigilosa arrastando-se pelo fundo na busca de alimento, estas estranhas ramificações são utilizadas com verdadeira maestria para encontrar moluscos enterrados na areia ou lodo. A não ser em grandes profundidades a sua captura é esporádica, porém pode-se como em qualquer outra espécie procurar este peixe exclusivamente, porque a sua carne é simplesmente deliciosa. Não é um grande combatente, principalmente devido ao facto de que reside em grandes profundidades e ao ser capturado só oferece resistência nos primeiros minutos, depois devido à descompressão normalmente deixa-se arrastrar.

ALIMENTAÇÃO: crustáceos, moluscos, céfalopodos e bivalvos, no caso de escassez de alimento também opta pelo canibalismo.

MÉTODOS DE PESCA: pesca embarcada, jigging, surfcasting.

VIDEO: um pequeno video da captura de vários ruivos a jigging.



RECORD IGFA: encontra-se em ?

domingo, 25 de novembro de 2012

O PANGA - Pangasianodon hypophthalmus (Sauvage, 1878)



FAMÍLIA: pangasiídios

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 30m

COMPRIMENTO: 130cm

PESO: 44kg

DISTRIBUIÇÃO: Ásia, Chao Phraya, Cambodja, Vietnam e bacias do rio Mekong.



BIOLOGIA: o Panga ou peixe gato raiado é um nadador fora de série para ser um peixe gato, habita em largos ríos Ásiaticos, com fortes correntes onde graças a uma fantástica cauda domina perfeitamente o seu habitat. Para qualquer aficionado à aquariofilia é um velho conhecido, embora nem todos os aficionados tenham consciência da grande capacidade predadora deste peixe e muito menos do tamanho excepcional que pode atingir em plena natureza. O panga é uma espécie migratória e todos os anos entre Maio e Julho sobe o río em que habita como um autêntico salmão para a desova. Este peixe gato é um peso pesado, que nos pode oferecer uma luta titânica ao atingir um tamanho considerável, grande parte da sua técnica de defesa consiste em pegar-se ao fundo utilizando o seu peso para literalmente colar-se a este, seguida de corridas capazes de esvaziar meio carrete.



ALIMENTAÇÃO: peixe, crustáceos e plantas do seu habitat, no entanto como qualquer perdador é um oportunista e não deixará de engolir qualquer outro animal que possa considerar um bom alimento.

MÉTODOS DE PESCA: spinnig, à bóia, carpfishing.

VIDEO: este video explica na perfeição o tratamento do famoso Panga e porque razão não devemos consumir esta espécie. A não ser claro que seja capturada por uma fonte em que confiemos.



RECORD IGFA: encontra-se em 21,300kg capturado por Sutchi Hajmalle no lago Bung Sam Lan na Tailândia.

CURIOSIDADES: o Panga sempre que capturado em estado selvagem é um optimo alimento, como qualquer outro peixe que viva num rio saudável no entanto no últimos tempos tem chegado ao nosso mercado uma enorme quantidade de panga da qual não se conhece procedência que não vos aconselho a consumir. Pois este peixe não vem do rio propriamente dito e sim de enormes "galinheiros" onde são alimentados com qualquer tipo de restos alimenticios que sobram de outras fontes. Estes pangas estão infestados com elevados níveis de venenos e bactérias. (arsênio dos afluentes industriais e tóxicos e perigosos subprodutos do crescente setor industrial, metais pesados, bifénilos policlorados (PCB), o DDT e seus (DDTs), clorato, compostos relacionados (CHLs), hexaclorocicloexano isómeros (HCHs), e hexaclorobenzeno (HCB)).

domingo, 28 de outubro de 2012

GOLDEN TREVALLY - Gnathanodon speciosus (Forsskål, 1775)



FAMÍLIA: carangídeos.

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 30m

COMPRIMENTO: 120cm

PESO: 15kg

DISTRIBUIÇÃO: oceano Indíco, Pacífico, sudoeste de baixa Califórnia, México e Golfo de Califórnia até ao Equador.





BIOLOGIA: um dos mais belos peixes da família dos carangídeos, o Golden Trevally é sem lugar a dúvidas uma maravilha da natureza, vive em lagoas profundas ou em bancos de recifes de coral, com fundo de areia onde procura crustáceos e outros invertebrados para sua alimentação. Utiliza a sua boca como um aspirador. Durante a sua fase juvenil têm o estranho comportamento de procurar abrigo entre os tentáculos das medusas, utilizando assim o veneno desta espécie como arma defensiva. Este comportamento não o utiliza só com as medusas, a mesma técnica de defesa é utilizada com peixes de maior porte; tais como tubarões, raias ou até mesmo mergulhadores. Forma grandes cardumes durante esta fase de juvenil para sua protecção. Nesta fase a sua côr vai desde um amarelo intenso com barras verticais alternando o negro e o castanho em ambos flancos, passando mais tarte a um amarelo prateado. É tal a sua beleza que durante a sua fase de alevin a juvenil é utilizado como peixe ornamental em aquários de todo o mundo.  Ao atingir o estado adulto a côr predominante é o prateado e as barras verticais tomam um tom cinzento. As barbatanas tornam-se totalmente amarelas, o crescimento é rápido e notável em especial o crescimento das barbatanas peitorais que crescem de uma forma desporporcionada fazendo do Golden um magnifico nadador, não só em rapidez mas também no factor manobras, pode girar e mudar de sentido com extrema rapidez.

                                                                         Cortesia de:




ALIMENTAÇÃO: pequenos peixes, invertebrados e crustáceos.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, mosca e surfcasting.

VIDEO: o resultado da captura de um Golden Trevally para um pescador impaciente.


RECORD IGFA: encontra-se em 14.750kg capturado por Jason Hornhardt em Aústralia.

sábado, 6 de outubro de 2012

BIGEYE TREVALLY - Caranx sexfasciatus (Quoy & Gaimard, 1825)


FAMÍLIA: carangídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 146m

COMPRIMENTO: 120cm

PESO: 18kg


DISTRIBUIÇÃO: Oceano Indo-Pacífico, Mar vermelho, este de Àfrica até ao Hawai, norte e sueste do Japão, Austrália e Nova Caledónia, também no México e Golfo de Califórnia, Equador e Ilhas Galápagos.




BIOLOGIA: habita àguas costeiras e oceanícas, sempre relacionadas com recifes. Ocasionalmente entra em rios, para caçar. Como a maioria dos carangídeos é um perdador incansavél, perfere o amanhecer e o anoitecer para caçar, durante a fase juvenil é fácil de encontrar em estuários formando grandes cardumes, nesta fase o seu corpo está coberto por um tom prateado para castanho com 5-6 manchas verticais nos laterais, atinge a maturidade entre os 40-60cm, nesta fase desloca-se a águas abertas onde passará o resto da sua vida. Embora possa deslocar-se a águas mais costeiras para caçar em raras ocasiões. Na sua juventude como técnica de defesa contra outros predadores utilizam a chamada "bola de peixe", formação em circulo na qual estão envolvidos várias centenas de indivíduos para assim confundir o predador que tenta caçá-los. Como peixe desportivo pouco há que dizer, uma máquina de tirar linha dos carretes, só se entrega quando se encontra completamente extenuado. Destaca dos outros carangídeos pelo grande tamanho dos seus olhos,(daí vêm o seu nome) a sua côr dorsal é de um azul-verdoso e um ventre prateado, com um tom amarelo verdoso na barbatana anal possui uma espetácular cauda bifurcada que lhe dá essa incrível potência.

ALIMENTAÇÃO: peixes, céfalopodes e crustáceos.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, surfcasting, rockfishing.

VIDEO: uma pequena amostra da potência destes magnífico animal!!!



RECORD IGFA: encontra-se em 14.300kg capturado por Les Sampson no dia 23/04/1997 na ilha Poivre nas Seychelles.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

A CARPA NEGRA - Mylopharyngodon piceus (Richardson, 1846)


FAMÍLIA: ciprinídeos.

LONGEVIDADE: 13anos.

PROFUNDIDADE: 0 - 30m.

COMPRIMENTO:122cm.

PESO: 35kg.

DISTRIBUIÇÃO: Àsia, distribuída por vários países com grande sucesso.


BIOLOGIA: a carpa negra é um ciprinídeo originário de China, criada em cativeiro para consumo humano e para a fabricação de remédios chineses. Nos mercados de China é um dos peixes mais caros, uma verdadeira iguaria ao alcance de poucos. Só há poucos anos se começou a explorar o potencial de este peixe para a pesca desportiva. Com grande satisfação para muitos, pois é um verdadeiro colosso capaz de rebentar com qualquer equipamento de pesca. A carpa negra foi exportada para diversos paises com grande adaptação e uma clara loucura por parte dos pescadores desportivos em relacção a esta nova espécie. Nos Estados Unidos já se tornou um dos peixes favoritos para o "curriculum" de qualquer pescador que se preze. A carpa negra tem uma enorme taxa de reprodução uma fêmea com apenas 4 anos é capaz de pôr anualmente 1.18 milhões de ovos!!

                                                                       Cortesia de:


ALIMENTAÇÃO: uma dieta à base de matéria vegetal, porém também consome caracóis, lagostins, caranguejo e todo tipo de insectos, mas o alimento favorito são os moluscos.

MÉTODOS DE PESCA: carpfishing, à mosca, boloñesa, inglesa.

RECORD IGFA: encontra-se em 18.500kg capturada por Kenichi Hosoi no dia 04/01/2000 no rio Edo, Chiba no Japão.

CURIOSIDADES: a carpa negra como todas as carpas ao atingir uma certa idade desenvolve uns dentes farineos, capazes de partir os alimentos mais duros, como por exemplo um dos alimentos favoritos desta carpa, as ameijoas de água doce.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

SUZUKI - Lateolabrax japonicus (Cuvier, 1828)


FAMÍLIA: lateolabracídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 50m

COMPRIMENTO: 100cm

PESO: 8.700kg


DISTRIBUIÇÃO: oceano Pacifico até ao sul de China.


BIOLOGIA: pertence à familía das percas de água salgada, esta espécie é unica pois só tem dois membros, o suzuki e o blackfin seabass (Lateolabrax latus), encontra-se normalmente em águas movidas junto a recifes. Os suzuki (seigo) juvenis formam grandes cardumes e deslocam-se com frequência por rios ou estuários em actitude de caça, ao atingir o estado adulto, voltam ao mar para reproduzir-se e o resto da sua vida é passada na costa, sempre junto a recifes ou outras estruturas rochosas, em rara ocasiões voltam ao rio para caçar. A reprodução dá-se no inverno em recifes a grande profundidade, no estado de alevín alimenta-se de zooplâncton e de pequenos camarões passando depois a todos tipo de crustáceos e peixes. É um predador extraordinário, rápido e preciso. No Japão passa por três nomes, quando tem um tamanho entre os 20-25cm chamam-lhe "seigo" ao atingir os 50-60cm passa a chamar-se "fukko" ou "suzuki". Os japoneses consideram o Suzuki como um peixe talismã e desde tempos remotos utilizam a sua carne para confecionar remédios que "prolongam" a vida.

                                                                    Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: camarões, caranguejos e peixes.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, mosca, surfcasting.

VIDEO: a captura de um Suzuki.



RECORD IGFA: encontra-se em 13.140kg capturado no dia 08/10/2006 por Yoshiaki Kubo no rio Katada, Oita no Japão.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

O MERO DE VARSÓVIA - Epinephelus nigritus (Holbrook, 1855)


FAMÍLIA: serranídeos.

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 525m.

COMPRIMENTO: 230cm.

PESO: 263kg.

DISTRIBUIÇÃO: Oceano Atlântico (Oeste), Massachusetts, Golfo do México, Cuba, Trinidade e Tobago, Rio de Janeiro e São Paulo.


BIOLOGIA: o mero de Varsóvia tem uma coloração uniforme castanha escura avermelhada e é o único mero com a mesma tonalidade na sua côr. Mesmo no estado de juvenil já tem esta côr, todos os outros meros mudam a tonalidade tanto pelo crescimento como pelo habitat ou alimentação. É uma espécie solitária como normalmente acontece com os meros, habita fundos de rocha ou recifes de coral mas pode ser encontrado em qualquer tipo de estrutura submarina, como destroços de navios, plataformas de petróleo ou qualquer outra estrutura que lhe proprocione abrigo e alimento.Embora seja um mero que normalmente vive em grandes profundidades na sua fase juvenil, até 10-20kg pode ser pescado com técnicas de surfcasting. Actualmente encontra-se entre as espécies protegidas.


                                                                        Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: camarão, caranguejo, lagostas, polvos e peixe.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, spinning, jigging, corrico.

VIDEO: uma pequena amostra de um mero de Varsóvia.


RECORD IGFA: encontra-se em 198.100kg capturada por Steve Haeusler no dia 22/12/1985 no Golfo de México, Flórida, U.S.A.

CURIOSIDADES: na familía dos meros o Mero de Varsóvia é o único que possui 10 espinhas dorsais.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

O MERO DE QUEENSLAND - Epinephelus lanceolatus (Bloch, 1790)


FAMÍLIA: serranídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 130m

COMPRIMENTO: 270cm

PESO: 400kg

DISTRIBUIÇÃO: Mar vermelho, Àfrica do Sul, Hawai, Japão e sul da Austrália.




BIOLOGIA: a côr é extraordinária, uma obra de pintura digna de uma criatura extraordinária, o mero de Queensland é o maior da família dos serranídeos, um verdadeiro sonho ou pesadelo, tudo depende do pescador. Durante a sua juventude raramente são vistos, pois são autênticos mestres da camuflagem, sempre ocultos em recifes, fazendo pequenas incrusões nocturnas em estuários para alimentar-se, de caranguejos do lodo, pequenos polvos e peixe, esta côr tão peculiar desaparece com o crescimento pois devido ao colossal tamanho que atinge já não necessita camuflagem, pois são poucos os predadores que se atrevem com este mastodonte. Na fase adulta a sua vida desenrola-se no alto mar em recifes de coral ou destroços de navios e plataformas petrolíferas como muitos outros meros. A captura de um mero de Quennsland com cana é sem dúvida um sonho para qualquer pescador desportivo.


                                                                         Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: peixe, lagostas, e o seu manjar favorito raias e pequenos tubarões!!

MÉTODOS DE PESCA: jigging, spinning, corrico.

VIDEO: de cortar a respiração!!!



RECORD IGFA: encontra-se em 179.500kg capturado por Shayne Keith Nelson no dia 03/10/2004 ilha Latham em Tanzânia.

terça-feira, 22 de maio de 2012

O MERO CRIOULO - Epinephelus striatus (Bloch, 1792)


FAMÍLIA: serranídeos

LONGEVIDADE: 29 anos

PROFUNDIDADE: 90m

COMPRIMENTO: 122cm

PESO: 25kg


DISTRIBUIÇÃO: Oceano Atlântico, Bermudas, Flórida, Bahamas, México, do Mar Caribe até ao Brasil.




BIOLOGIA: o mero crioulo vive sobre rochas, recifes de coral e bancos de vegetação desde águas costeiras superficiais até profundidades de 90 metros. É sem dúvida um dos meros mais belos desta família,  com a sua coloração pálida, variável de barras escuras e manchas claras. Trata-se de uma espécie importante a nível comercial, tal como o mero americano, (Epinephelus morío) o negro (Mycteroperca bonaci ) ou o serrano estriado,( Centropristis stríata ). Ofrece ao pescador desportivo uma luta titânica ao ser ferrado e é um dos mais perseguidos por estes nas suas jornadas de pesca. Durante a sua juventude é normal ver cardumes de 20 ou mais individuos em leitos de algas capturando pequenos camarões ou caranguejos, porém esta fase gregária dura pouco, ao atingir a fase adulta o mero crioulo tal como outros meros trona-se um peixe solitário que normalmente habita uma cova ou se esconde em qualquer estrutura marinha e só sai dela para alimentar-se. São peixes muito confiados que proprocionam aos mergulhadores fotos belissimas, pois se se habituam à sua presença permitem que se lhes acariciem. Na questão da captura a parte mais dificil é conseguir evitar que o peixe se meta no buraco ao estrutura, pois é o primeiro que faz ao sentir-se preso, esses primeiros segundos são cruciais para o sucesso da captura, depois é uma questão de paciência e qualidade de equipamento. O mero crioulo encontra-se em perigo de extinção devido como sempre aos excessos cometidos pelo famoso "ser humano".


O VIDEO: infelizmente a melhor maneira de ver hoje em dia um mero crioulo, en cativeiro.



ALIMENTAÇÃO: moluscos, crustáceos, peixe, polvos e ao atingir o estado adulto raias.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, pesca embarcada, surfcasting.

RECORD IGFA: encontra-se em 17.460kg capturado por Lewis Goodman no dia 14/02/1994 em Bimini nas Bahamas.

MERO - Epinephelus marginatus (Lowe, 1834)


FAMÍLIA: serranídeos

LONGEVIDADE: 50 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 300m

COMPRIMENTO: 150cm

PESO: 60kg


DISTRIBUIÇÃO: este e sudoeste do Oceano Atlântico e Oceano Indíco, Mediterrâneo, Baía de Biscaya, também mas com menos população no Brasil, Uruguay e Argentina.




BIOLOGIA: como a maioria dos meros, a atingir um tamanho consideravél torna-se um peixe solitário, embora se possam encontrar grandes cardumes na época do acasalamento. Vive em estruturas submarinas, com clara perferência por zonas coralinas ou rochosas, mas adapta-se com grande facilidade a outras estruturas tais como plataformas petrolíferas ou barcos afundados, para o pescador desportivo é um peixe estrela, muito cobiçado, pelas extraordinárias dimensões que alcança e pela aguerrida luta que proprociona ao afortunado que o consegue fisgar. Durante a sua juventude pode ser capturado em zonas costeiras, ou em estuários onde se adentra para alimentar-se de pequenos camarões e peixes. A principal defesa do mero é ocultar-se na sua "toca" utilizando o seu peso para evitar ser elevado à superficie, o que normalmente funciona, pois um mero depois de entocado é muito dificíl de capturar.


ALIMENTAÇÃO: camarões, caranguejos, lagostas, moluscos, polvos e peixe.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, surfcasting, corrico.

RECORD IGFA: encontra-se em  21.250kg capturado por Luca Bonfanti no dia 11/05/1990 em Porto Cervo, Sardenha, Itália.



                                                         HOMENAGEM AOS AMIGOS

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O MERO NEGRO - Mycterperca bonaci (Poey, 1860)


FAMÍLIA: serranídeos.

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 33m.

COMPRIMENTO: 150cm.

PESO: 100kg.


DISTRIBUIÇÃO: Bermudas, Flórida, Golfo do México, Mar Caribe e sudoeste do Brasil.



BIOLOGIA: o mero negro pode parecer-se a qualquer outro mero, mas as diferenças são notáveis. Possui uma coloração variavél marcada por manchas rectangulares escuras. A côr escura ou negra pode variar dependendo da alimentação e das águas onde habite, porém a forma rectangular do desenho que possui nos flancos é sempre a mesma, o que o faz único. No estado juvenil pode ser encontrado em águas costeiras ou em estuários onde se desloca com frequência para alimentar-se, formando pequenos cardumes de cerca de 10-15 indivíduos. É um verdadeiro colosso só ultrapassado pelo mero Tigre (Epinephelus itajara) e pelo mero de Queensland ( Promicrops lanceolatus ) o maior de todos os meros. Como qualquer outro mero, é um oponente que fará suar qualquer pescador, oferece uma luta titânica, e impossivel de capturar se consegue entrar na sua toca. Depois de elevar o mero a batalha está práticamente terminada, pois são peixes que vivem a profundidades consideráveis, normalmente a sua bexiga incha-se pela descompressão e a partir de esse momento só oferecem a resistência do seu peso.

                                                                       Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: durante a fase juvenil de crustáceos, mas na fase adulta básicamente de peixe.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, pesca embarcada, surfcasting.

VIDEO: a captura de um mero negro em Flórida Keys.



RECORD IGFA: encontra-se em 56,240kg capturado no dia 11/01/2003 por Tim Oestreich II no Golfo de México, Texas, USA.

O MERO AMERICANO - Epinephelus morío (Valenciennes, 1828)


FAMÍLIA: serranídeos.

LONGEVIDADE: 25 anos.

PROFUNDIDADE: 0 - 330m.

COMPRIMENTO: 125cm.

PESO: 23kg.

DISTRIBUIÇÃO: a Oeste do Oceano Atlântico, Carolina do Norte, Sudoeste do Brasil, Golfo de México, Caribe e Bermudas.


BIOLOGIA: o mero americano ou Red grouper vive como a maioria dos meros em zonas rochosas ou recifes de coral em profundidades que variam entre os 24 a 330m, mas os exemplares mais pequenos encontram-se por vezes junto à costa, em águas superficiais. Este mero reconhece-se fácilmente pelo seu aspecto mosqueado e coloração avermelhada, pela cauda quadrada e pela uniformidade da extremidade superior da primeira barbatana dorsal; o interior da boca é de cor laranja ou vermelha escuro. Como todos os meros é um valente combatente para qualquer aficionado à pesca desportiva, capaz de levar o equipamento ao limite e o pescador ao desespero. Entre os 7-14 anos de idade possuem a capacidade de alterar o seu metabolismo sexual para passar de macho a fêmea e vice-versa dependendo da necessidade de procriação, alcançam o estado de madurez sexual entre os 35-98cm, nesta fase torman-se mais solitários e é raro ver meros em cardume a não ser na época de acasalamento.



                                                                        Cortesia de:




ALIMENTAÇÃO: a base da sua alimentação são os peixes e os moluscos, porém comem qualquer outro alimento que possam capturar.

MÉTODOS DE PESCA: jigging, spinning, pesca embarcada, surfcasting, corrico.

VIDEO: uma excelente pescaria de Meros Americanos.



RECORD IGFA: encontra-se em 19,160kg capturado por Del Wiseman Jr em St. Augustine, Flórida, USA no dia 09/03/1997.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

A CORVINATA PINTADA - Cynoscion nebulosus ( Cuvier, 1830 )


FAMÍLIA: escienídeos

LONGEVIDADE: 18 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 20 m

COMPRIMENTO: 1m

PESO: 7,920kg

DISTRIBUIÇÃO: de Nova Iorque ao Golfo do México.



BIOLOGIA: a corvinata pintada é uma das espécies mais populares entre os pescadores desportivos do Atlântico Ocidental, graças à sua carne delicada, é também uma espécie de grande interesse comercial. Está marcada por atraentes e numerosas manchas pretas, que a distinguem fácilmente das suas congéneres que não são mosqueadas e mais pequenas: a corvinata da areia ( Cynoscion arenarius ) e a prateada ( Cynoscion nothus ). É uma espécie normalmente costeira,com clara perferência por fundos com abundante vegetação. Embora no inverno se possa encontrar em maiores profundidades. Adora os estuários onde é capturada com maior frequência, desloca-se normalmente em cardumes que podem ir de 20-50 individuos. Como membro da família dos roncadores durante a época de acasalamento emite pequenos sons para atrair as fêmeas que se asemelham ao ruido de um tambor, este som é conseguido através da contracção de uns músculos que se encontram nas paredes das bexigas natatórias. Devido à grande atracção que têm pela luz, na pesca comercial utilizam-se grandes focos de luz verde para atrair os cardumes à superficie e assim cairem mais fácilmente nas redes.


                                                                   Cortesia de:


ALIMENTAÇÃO: camarões, caranguejos e pequenos peixes entre os quais se encontra a tainha.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, spinning, jigging, corrico, mosca, à bóia e com peixe vivo.

VIDEO: A captura de uma corvinata pintada, com a consequente alegria.



RECORD IGFA: encontra-se em 2,430 kg capturado por William Favor em Vista de Oro, México no dia 16/09/2000.

CURIOSIDADES: apesar da grande luta que dá a corvinata pintada é conhecida pela fragilidade da sua boca, que normalmente ao ser forçada se desgarra, perdendo assim a peça, por essa razão nos Estados Unidos é conhecida pelo nome de Spotted weakfish ( peixe fraco pintado) devido à fragilidade da sua carne.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

A CAVALA DO ATLÂNTICO - Scomber scombrus (Linnaeus, 1758)


FAMÍLIA: escombrídeos

LONGEVIDADE: 17 anos

PROFUNDIDADE:

COMPRIMENTO: 34cm

PESO: 3,400kg

DISTRIBUIÇÃO: Atlântico, Mediterrâneo e Mar Negro.


BIOLOGIA: a cavala do Atlântico é muito parecida à cavala do Pacífico (Scombrus japonicus), porém a nossas têm a particularidade de possuir menos barras escuras no dorso e não tem as manchas castanhas da cavala do Pacífico. A cavala forma grandes cardumes, que por vezes se vêem junto à costa, formam um verdadeiro esquadrão de caça, atacam pequenos peixes com uma voracidade digna de qualquer tubarão. Como escombrídeo possui essa linha hidrodinâmica, fusiforme com uma grande cauda bifurcada que lhe permite atingir velocidades asombrosas para o pequeno peixe que é. A sua carne é de excelente qualidade e como peixe desportivo um verdadeiro lutador, com o equipamento próprio um dia de pesca às cavalas pode deixar-te o braço a pedir massagens. A sua luta caracteriza-se principalmente por grandes corridas junto à superficie, procurando escapar-se, é tal a sua velocidade que muitas vezes pensamos que o peixe se escapou porque a linha fica frouxa de repente, devido a que a cavala vêm na nossa direcção. A cavala é também uma enorme fonte de alimento para outras espécies, assim que é utilizada com grande frequência como isco para captura de espécies de maior porte como por exemplo a corvina.



ALIMENTAÇÃO: pequenos invertebrados e peixes do seu habitat como pequenas sardinhas ou peixe-rei.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, jigging, corrico, surfcasting, à bóia.

VIDEO: uma pequena amostra da pesca à cavala de kayak com a técnica do jigging.


RECORD IGFA: encontra-se em 1,200 kg capturado por Jorg Marquard em Karaakvaag na costa de Noruega, no dia 29/06/1992.


                                            HOMENAGEM AOS AMIGOS





quarta-feira, 18 de abril de 2012

O PEIXE ARANHA - Trachinus draco (Linnaeus, 1758)


FAMÍLIA: trachinídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 150 (no inverno)

COMPRIMENTO: 55 cm

PESO: 1,890kg

DISTRIBUIÇÃO: oeste do Oceano Atlântico, Mar do Norte e Mediterrâneo, Marrocos, Madeira e Ilhas Canárias.



BIOLOGIA: existem duas espécies de peixes aranha uma bastante pequena que carece de interesse para a pesca desportiva o Echiichthys vipera (Cuvier, 1829) que cresce apenas até aos 15cm e a espécie em questão o Trachinus draco (Linnaeus, 1758). Não pensem que a cara de mau é a gozar, o gajo é mesmo mau!! Matar não mata, mas quem tiver a má sorte de pisar ou ser picado de outra forma por um peixinho destes de certeza que se vai lembrar dele durante muito tempo. E falo por experiência. O peixe aranha é uma delícia (na mesa) porém sem um prévio conhecimento pode ser uma experiência muito dolorosa. É um predador astuto, que utiliza a camuflagem natural para ocultar-se na areia, normalmente completamente tapado, só com os olhos de fora. No entanto como podemos apreciar pela foto, não lhe fazia falta porque o seu mimetismo é suficiente para ser confundido com o fundo. Vive no litoral normalmente sobre fundos de areia, embora também possa ser visto em fundos de lodo ou gravilha. É um predador que ataca por sorpresa apurando a distância com a presa ao límite. Ao manejar um peixe aranha aconselha-se o uso de uns alicates ou um bocagrip ou até um simples pano de maneira a imobilizar o peixe para uma extracção segura do anzol, as 3 primeiras espinhas dorsais são as que  possuem o veneno pode-se ver a diferença de côr porque estas são mais escuras que as outras. Existem também duas espinhas venenosas nas aberturas branquiais, estas são as que devemos ter debaixo de olho ao manejar o peixe aranha.

No caso de picadura, o remédio mais aconselhavél para o momento, no caso de não se poder deslocar-se a pedir ajuda médica é através do calor, devemos projectar calor na zona da picadura através de àgua quente (de maneira suportavél) ou até com o calor de um cigarro. É raro que a picada de um peixe aranha provoque a morte (mas já se deram casos) devido a alergias que a vítima possa ter.

ALIMENTAÇÃO: pequenos invertebrados, caranguejos, camarões, peixe ou qualquer outro ser vivo do seu habitat.

MÉTODOS DE PESCA: surfcasting, jigging, corrico, à mosca, spinning.

VIDEO: aqui podemos apreciar bem como se move um peixe aranha e os seus famosos espinhos.



RECORD IGFA: encontra-se em 1,740kg capturado por John H. Williams en La Gomera, Ilhas Canárias, España, no dia 11/06/2005.

EDITOR

A minha foto

Los que me conocen, saben quien soy...

Arquivo do blogue