AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

sexta-feira, 29 de abril de 2011

A BICUDA - Boulengerella cuvieri (Spix & Agassiz, 1829)


FAMÍLIA: ctenolucídeos

LONGEVIDADE: ?

PROFUNDIDADE: 0 - 5m

COMPRIMENTO: 100 cm

PESO: 8 kg



DISTRIBUIÇÃO: América do sul.


BIOLOGIA:  com um corpo alongado e roliço e um pouco comprimido, a bicuda é um excelente peixe desportivo de água doce. Existem várias espécies de bicudas e a sua côr varia muito mas o mais normal é apresentarem um ventre e flancos prateados e um dorso cinzento. As barbatanas pélvicas e anal apresentam uma faixa preta que a fazem inconfundível. 
O seu habitat normal são sempre zonas de águas rápidas, onde se oculta entre troncos ou pedras para atacar de imprevisto, os exemplares mais pequenos vivem normalmente em zonas mais calmas do rio ou em lagos. Embora tenha semelhanças com a barracuda, a bicuda, é um peixe bem diferente quando falamos de habitat, mais concretamente em capas de água, enquanto a barracuda pode ser encontrada em zonas profundas e em superficie, a bicuda está sempre em zonas superficiais. As bicudas são extremadamente vorazes, o que faz dela um peixe super desportivo. Não formam grandes cardumes e não fazem imigrações para desovar, a bicuda pode procriar durante todo o ano. A sua defesa quando capturada consiste em corridas rápidas e saltos acrobáticos sacudindo a cabeça para tentar livra-se do anzol ou amostra. A sua boca é muito dura, e normalmente se não está bem fisgada, ao dar esses saltos escapa.

                                                                      Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: básicamente de peixes do seu habitat e crustáceos.


MÉTODOS DE PESCA: corrico, spinning, mosca, à bóia, surfcasting.                                         

O VIDEO: aqui podemos apreciar o espetacular ataque da bicuda e os seus famosos saltos. 

                        
RECORD IGFA: encontra-se em 6,800 kg capturada por Sandro Francio no dia 13/12/2002 no rio Teles Pires, Mato Grosso, Brasil.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

O ESPADARTE - Xiphias gladius ( Linnaeus, 1758 )



FAMILIA: xifídeos

LONGEVIDADE: 25 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 800 m

COMPRIMENTO: 4,60 cm

PESO: 650 kg



DISTRIBUIÇÃO: mundial.

 




BIOLOGIA: membro único da familía dos xifilídeos o espadarte, tal como os espadins, possui uma mandibula superior muito prolongada, mas ao contrário destes últimos, a do espadarte é achatada na secção transversal e não arredondada. Outras características que permitem distinguir o espadarte dos outros espadins é o feitio do corpo e das escamas. O espadim possui um corpo comprimido em secção transversal e as escamas são estreitas e pontiagudas; o corpo do espadarte é quase arredondado e os exemplares adultos não apresentam escamas. Quando ao tamanho, o espadarte é comparável aos maiores espadins. Como caçador é imparável, uma máquina, devido a sua velocidade e voracidade é muito difícil que uma presa se escape ao ataque de um espadarte. Daí resultar tão espectacular ver o ataque de um espadarte em superficie. O espadarte encontra-se na maior parte dos mares temperados do mundo, com especial incidência durante os meses de verão, meses esses em que se deslocam até latitudes mais altas.

O espadarte alcança a madurez sexual entre os 2 e os 4 anos, durante este periodo de reprodução (entre junho e setembro) os machos nadam à volta da fêmea e fecundam os milhões de ovos de entre 1,6 e 1,8 mm, que as fêmeas depositam. Depois do nascimento os pequenos espadartes são protegidos pelos pais até atingirem um tamanho que lhes permita defender-se sozinhos. O seu predador natural é o tubarão Marracho (Isurus oxyrinchus) provavelmente o tubarão mais veloz, capaz de alcançar uma velocidade de 74 km/h, porém nem sempre sai vencedor, pois muitas vezes o espadarte consegue ferir e até matar o Marracho com a sua famosa espada. 

                                                                        Cortesia de:

 
ALIMENTAÇÃO: a base do alimento dos espadartes são os peixes, principalmente atum e arenque, porém também se alimenta de crustáceos e lulas.

 
MÉTODOS DE PESCA: principalmente ao corrico, embora também se possam pescar ao spinning e à mosca ou ao fundo com iscos vivos.


O VIDEO: impressionantes imagéns da captura de um espadarte.





                          ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE !!!


RECORD IGFA: encontra-se em 536,150 kg capturado por Louis Marron no dia 05/07/1953 em Iquique, Chile.


CURIOSIDADES: A pesca desportiva ao espadarte em Portugal iniciou-se em 30 de Outubro de 1954, quando Manuel Frade capturou um espadarte com 153 kg, ao fim de uma luta que durou três horas e quarenta e cinco minutos, que lhe deu a honra de iniciar a pesca desportiva do espadarte nos mares de Sesimbra, uma das melhores áreas do mundo, e ao mesmo tempo ser o primeiro homem a capturar desportivamente, com cana e carreto, um espadarte no Atlântico Europeu.

sábado, 2 de abril de 2011

A SAVELHA - Alosa fallax (Lacepède, 1803)


FAMILIA: clupeídeos

LONGEVIDADE: 25 anos

PROFUNDIDADE: 0 - 30 m

COMPRIMENTO: 60 cm

PESO: 2 kg



DISTRIBUIÇÃO: Europa Ocidental.



BIOLOGIA: muitas vezes confundida com o Arenque do Atlântico (Clupea harengus) pela grande semelhança existente entre estas espécies, a Savelha pode ser fácilmente distinguida pela "mossa" que possui debaixo da mandibula superior a qual encaixa na inferior, coisa que o Arenque não têm. Uma quilha de escamas afiadas ao longo do ventre e manchas escuras ao longo dos flancos. A savelha é uma espécie marinha embora desove em água doce. Durante a imigração para o desove remonta rios para voltar ao seu lugar de nascimento tal como o Salmão e outras especies. Depois do seu nascimento os alevíns permanecem em água doce dois anos mais ou menos até voltarem ao mar. A sua pesca apesar de ser um peixe "pequeno" é super divertida pois é um peixe que para a sua defesa no brinda com saltos e cabriolas dignas de um Trapão.


                                                               Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO:  Enquanto alevín alimenta-se de plâncton, tanto animal como vegetal, larvas de insectos e copépodes (crustáceos minúsculos), mas ao atingir os 20-25 cm começa a alimentar-se de peixes.




MÉTODOS DE PESCA: spinning, à mosca, surfcasting, à bòia.


                            ACONSELHO AS AMOSTRAS PELA DESPORTIVIDADE !!!


RECORD IGFA: encontra-se em 0,700 kg capturada por P.C. Owendjik no dia 21/08/1998 no mar do Norte em Netherland.

EDITOR

A minha foto

Los que me conocen, saben quien soy...