AMIGOS DE PEIXES DESPORTIVOS DO MUNDO

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

O BURBOT - Lota Lota (Linnaeus, 1758)



FAMILÍA: gadídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 300 metros.

COMPRIMENTO: 120 cm.

PESO: 30 kg

DISTRIBUIÇÃO: Alaska,Canadá.

BIOLOGIA: vive nas frias e profundas águas de rios e lagos e é o único membro da família dos gadídeos que vive em água doce. Poucos são os pescadores que o conhecem e menos os que tratam de pescar esta espécie. Isto sucede em grande parte porque o Burbot não gosta de águas temperadas e é normalmente na época invernal a altura em que se encontra mais activo. Claro está que pescar com uma temperatura por debaixo dos -10 graus não é animador, no entanto para os poucos valentes que o fazem este peixe pode dar grandes alegrias, como é o caso deste actual récord capturado por Sean Konrad. O Burbot vive no fundo e está particularmente activo durante as horas nocturnas, é um temível caçador de qualquer espécie que habite na sua zona de caça. Durante a gestação é um dos peixes com maior capacidade de gestação que existe na água doce, uma femea adulta pode por até 5 milhões de ovos por posta!! Para a posta preferem zonas de gravilha ou pedras com temperaturas entre 1 a 4 graus, os alevins ao nascer ocultam-se até consumir o saco vitalicío na sua totalidade e imediatamente começam a predar os micro organismos existentes na aréa. Para a sua pesca a paciencia é fundamental, porque é um peixe que depois de morder o isco nunca o engole, talvez devido a concorrencia dos seus parentes o Burbot morde o isco mas depois desloca-se com ele até encontra um lugar seguro donde pode comer descansado, quando o peixe morde o isco deve-se dar a linha, até que este pare, é nessa altura que o pescador deve fisgar o peixe, se o faz antes,normalmente o que consegue é extrair o isco da boca do Burbot.

                                                               Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: minhocas, lagostins, peixes e todo ser vivo na sua zona de caça.

MÉTODOS DE PESCA: carpfishing, à bóia, ao corrico.

O VIDEO: imagens de uma tentativa frustrada de capturar barbot´s com amostra.




RÉCORD IGFA: encontra-se em 11,400 kg capturado por Sean Konrad no dia 27 março de 2010 no lago Diefenbaker, Saskatchewan no Canada.

                                                      CAPTURA E SOLTA

terça-feira, 4 de novembro de 2014

TANDANO - Tandanus tandanus (Mitchell, 1838)



FAMILÍA: sirúlídeos.

LONGEVIDADE: 8 anos.

PROFUNDIDADE: 0 - 30 mts.

COMPRIMENTO: 90cm.

PESO: 6 kg.

DISTRIBUIÇÃO: Australásia e Indo-Pacífico.

BIOLOGIA: o tandano pretence à familia dos plotosídeos, que compreende cerca de 30 espécies de água doce e salgada. É originário da Austrália e vive em águas paradas e nos riachos de correntes lentas. A sua fase de reprodução dá-se na primavera quando a tempratura da água se encontra entre os 20º-24º. Tal como a maioría dos peixes gato a sua existencia pasa desapercebida para a maioría dos pescadores a não ser quando alcançam tamanhos consideráveis. A luta depois de fisgado não é nada do outro mundo, mas também depende muito do tamanho que possa alcançar o exemplar.Durante a sua juventude formam grandes cardumes adoptando a forma de uma bola em caso de perigo. Mas ao alcançar a maturidade tornam-se solitários e normalmente um exemplar controla um território de mais de 100 metros.

                                                                Cortesia de:


ALIMENTAÇÃO: insectos, larvas, moluscos, peixe e práticamente tudo o que lhe entre na boca.Para a sua pesca aconselha-se iscos ricos em fortes odores tais como peixe, fígado de galinha ao outro animal. Também podem ser capturados com boilies de peixe como é o caso do tandano da foto.

MÉTODOS DE PESCA: carpfishing, à bóia, spinning.

RÉCORD IGFA: encontra-se em 3,480kg capturado por Samantha Male no rio Murray.

                                                          CAPTURA E SOLTA

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O CURIMBATÁ - Prochilodus lineatus (Valenciennes, 1837)



FAMÍLIA: characídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE:

COMPRIMENTO: 80cm

PESO: 9 kg.

DISTRIBUIÇÃO: América do Sul - Paraná, Paraguay e Paraíba do Sul.




BIOLOGIA: o Curimbatá é uma espécie que pertence à classe dos Actinoptérigos, habita nos rios e lagos da Ámerica do Sul. A sua boca é circular, bordeada por lábios grossos e projectada para a frente. Tem o corpo largo e comprimido con tons cinzento-esverdeado e um ventre claro. É a espécie mais abundante no rio de la Plata, chegando mesmo a constituir um 60% da bio massa do mesmo, alguns peixes predadores como o Surubí e o Dorado dependem dos enormes cardumes de Curimbatá para a sua subsistencia.O outro factor importante nas carecteristicas de este peixe é o seu carácter imigrador. Realiza uma imigração de centenas de kilometros para chegar às planicies imundadas durante a época das grandes chuvas. Esta imigração em massa deve-se ao facto de que apesar de copularem e deixarem as ovas no leito do rio, os alevins do Curimbatá assim que nascem vão direitos às zonas imundadas procurando a vegetação e as àguas superficiais para a sua protecção. É dos peixes mais rápidos do nosso planeta no que concerne a àgua doce, pode alcançar uma velocidade de 90km/hora !! Alcança a idade de reprodução ao atingir os 30 cm.

                                                                Cortesía de:




ALIMENTAÇÃO: o Curimbatá é um iliófago, espécie de peixe que se alimenta de detritos e sedimentos, procurando entre estes os microrganismos que alí vivem. Este facto faz com que a sua pesca com anzol seja estremamente dificíl e apreciada. 

MÉTODOS DE PESCA: a técnica mais utilizada devido à dificuldade de capturar um curimbatá é a pesca com bóia ou ao fundo utilizando uma pequena bola de farinha de trigo iscada no anzol. Esta massa deve ser o suficientemente dura para aguentar no anzol mas ao mesmo tempo mole para que o curimbatá seja capaz de absorver a mesma. Existem casos de capturas com mosca mas são muito esporádicos.O actual record da IGFA foi conseguido com esta técnica.

VIDEO: a pesca do curimbatá.




RECORD IGFA: encontra-se em 9 kg capturado por Diego Flores no lago Regatas na Argentina no ano 2010.

CURIOSIDADES: esta espécie encontra-se à beira da extinção devido a pesca furtiva, porém é um dos peixes mais importantes para este ecosistema devido á labor que efectúa na limpeza das àguas. Só na Argentina se extraem anualmente mais de 70 mil toneladas por ano!!

                                                   HOMENAGEM AOS AMIGOS

terça-feira, 29 de julho de 2014

PIRACANJUBA - Brycon orbignyanus (Valenciennes, 1850)


FAMÍLIA: characídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 30 m.

COMPRIMENTO: 80 cm

PESO: 10 kg

DISTRIBUIÇÃO: rio Paraíba do Sul, Muciri e rio do Piau en Valença.Também no Mato Grosso do Sul em São Paulo e em Minas Gerais. Assim como em toda a zona de Paraná e sul de Goiás.


BIOLOGIA: "Piracanjuba" é um termo de origem Tupi que significa "peixe de cabeça amarela" através da junção "pirá" (peixe) e "akanga" (cabeça) e íuba (amarela). As fêmeas de espécie chegam a medir cerca de 80 centímetros de comprimento e podem pesar 10kg, enquanto que os machos embora cheguem a medir o mesmo, o seu peso não costuma passar dos 4 kilogramos.
É encontrada em rios de tamanho médio, grandes lagos y lagoas. Esta espécie apresenta uma estratégia reprodutiva do tipo periódico, com desova total sempre numa determinada época do ano. Embora o seu tamanho médio seja de 30 cm alcança comprimentos muito maiores dependendo das condições do habitat. As migrações reprodutivas ocorrem de forma mais intensa em dezembro e janeiro. É um pequeno predador muito divertido e que com o equipamento adequado dá umas intensas jornadas de pesca. É uma espécie migratória que desova entre dezembro e janeiro e os ovos são postos bem próximos à coluna de água.O piracanjuba está em risco de extinção!

                                                               Cortesia de:




ALIMENTAÇÃO: sementes,frutas, insectos e pequenos peixes.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, mosca, corrico,bóia e ao fundo.

VIDEO: la captura de um piracanjuba pescado ao fundo.




RECORD IGFA: 



                                                           HOMENAGEM AOS AMIGOS

sexta-feira, 27 de junho de 2014

O SALMÃO DO DANÚBIO - Hucho hucho ((Linnaeus, 1758)



FAMILÍA: salmonídeos

LONGEVIDADE: 15 anos

PROFUNDIDADE:

COMPRIMENTO: 150cm

PESO: 52kg

DISTRIBUIÇÃO: Europa, rio Danúbio, Volga, e bacías de vários rios europeus introduzidos para a pesca desportiva.Entre eles o rio Tormes em Espanha.

BIOLOGIA: normalmente de carácter solitário o salmão do Danúbio ou Hucho habita en zonas profundas e oxígenadas de rios com àguas transparentes. Durante a sua fase juvenil alimenta-se sobertudo de invertebrados, mas ao atingir a sua fase adulta a sua dieta é básicamente peixe do seu habitat. É um peixe sociàvel até atingir um tamanho considerável, (cerca dos 70-80cm) a partir dessa fase isola-se e quase toda a sua vida é solitária com excepção das fases de acasalamento. É considerado uma espécie de grande valor desportivo devido ao grande tamanho que alcança e à voracidade dos seus ataques. O maior salmão do Danúbio capturado até hoje tinha a incrível cifra de 100kg e 2 metros de comprimento. Em Espanha a loucura pelo Hucho é tal que só se pode pescar em cotos e devido ao acesso restringido dos mesmos, muitos pescadores chegam a esperar até 2-3 anos pela posibilidade de aceder a um destes cotos para poder praticar a sua pesca, o mais interesante é que o pagamento é à prióri, o que quer dizer que se por qualquer infortúnio o pescador perde esse dia asignado fica sem o dinheiro e sem a pesca. 

                                                             Cortesia de:



ALIMENTAÇÃO: invertebrados en fase juvenil e peixe do seu habitat en fase adulta embora possa comer quase cualquer coisa que a natureza lhe proprocione.

MÉTODOS DE PESCA: spinning, mosca, curricán, à bóia com peixe vivo como isco.

RÉCORD IGFA: encontra-se em 50 kg capturado por Igor Borisovich no rio Anyui en Russia, no ano 2003. 

sábado, 1 de março de 2014

A PIAPARA - Leporinus obtusidens (Valenciennes, 1837)



FAMÍLIA: characídeos

LONGEVIDADE:

PROFUNDIDADE: 0 - 30m

COMPRIMENTO: 76cm

PESO: 10kg

DISTRIBUIÇÃO: América do Sul, Paraná, La Plata e São Francisco, Uruguay, Paraguay, Guaíba e Parnaíba.


BIOLOGIA: os adultos habitam com normalidade o curso médio dos ríos, com perferência por zonas com abundante vegetação. Também conhecida como boga ou piava este peixe têm uma variavel proproção corpórea com extrema dependência do seu hábitat. Provávelmente influenciado por diferentes ofertas de alimentação. No rio de La Plata por exemplo pesa uma média de 2kg, atingindo um máximo de 5kg. No curso superior do rio Paraná alcança os 4,5kg e no curso médio do mesmo rio chega a atingir os 7kg, com excepcionais  desenvolvimentos que chegam aos 9kg. Porém em Santa Fé (capital) e em Rosario (Argentina) é frequente encontrar-se com formidáveis exemplares que alcançam os 10kg!! A piapara é um peixe nervoso e como tal a sua luta depois de fisgado é uma corrida constante com nervosas cabeçadas e saltos espetaculares que deixam o coração na boca. Também se encontram com facilidade em lagos de grandes dimensões e barragems, peixe muito saboroso é utilizado com frequência como alimento pelos nativos da região.



ALIMENTAÇÃO: vegetais, larvas de insectos e pequenos peixes.

MÉTODOS DE PESCA: inglesa, bolonhesa, carpfishing.

VIDEO: a pesca da piapara na Argentina.



RECORD IGFA: encontra-se em 7.260kg capturado por Ray Snyder no rio Uruguay na Argentina no dia 22 de Abril de 2013.


                                                                 CAPTURA E SOLTA

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

O CHARROCO - Halobatrachus didactylus (Bloch & Schneider, 1801)




FAMÍLIA: batrachoidídeos

LONGEVIDADE: 8 anos

PROFUNDIDADE: 50m

COMPRIMENTO: 60cm

PESO: 4kg

DISTRIBUIÇÃO: océano Atlântico, sueste da Baía de Biscaya até Ghana incluindo o mar Mediterrâneo e Gambia.



BIOLOGIA: embora tenha uma fama desagradável o charroco é um peixe muito interesante, vive em água salgada ou salobre, normalmente solitário em cavidades naturais ou artificiais, perdominantemente carnívoro, embora coma qualquer coisa. A sua côr é de um castanho esverdeado ou amarelada, com manchas escuras entre o negro e o cinzento. Os seus olhos ficam situados no topo da cabeça para poder detectar melhor as suas presas visto que é um peixe que está sempre pegado ao fundo, excepto quando realiza alguma deslocação ou um ataque. A parte mais destacável do charroco é a sua boca, extraordinariamente grande para o corpo que têm e a completa falta de escamas. Embora seja um peixe pouco lutador, a sua captura é complicada pois utiliza a sua enorme boca como se fosse um paráquedas exercendo uma enorme pressão na cana. Muitas vezes só podemos confirmar que é um charroco depois de o ver pois a pressão exercida é tão grande que pensamos que pode ser outro tipo de peixe. Como alimento é um peixe muito saboroso, típicamente utilizado num dos pratos mais famosos de Portugal, a caldeirada.




ALIMENTAÇÃO: caranguejos e pequenos peixes, embora possa engolir qualquer outro alimento.

MÉTODOS DE PESCA: rockfishing, spinning, surfcasting, à bóia, mosca.

RECORD IGFA: encontra-se em 2,500kg capturado por Patrick Sebile em Dakhala, Marrocos no día 5 de junho de 2003.

CURIOSIDADES: o charroco é um peixe roncador, graças à sua bexiga natatória é capaz de produzir ruídos parecidos ao roncar, tal como a corvina. Outra das peculiaridades do charroco é que é o uníco peixe que tem um coração parecido ao humano, tal é a semelhança que é utilizado por cardiólogos para estudar o comportamento de medicamentos no coração humano.


                                                            HOMENAGEM AOS AMIGOS

EDITOR

A minha foto

Los que me conocen, saben quien soy...

Arquivo do blogue